AIDS na Terapêutica Alternativa

Picture
Uma Nova perspectiva de vida!

AIDS, SIDA ou AIDETISMO:
                DOENÇA TIDA COMO INCURÁVEL COMO TRATÁ-LA
                                              Orientação do Prof. Moreno - Terapeuta homeopata
É tido como científico que a SIDA/AIDS é uma doença é incurável, conforme a ciência da alopatia ou medicina química ou medicina oficial.
       As terapias naturais associadas à ciência da homeopatia consideram a AIDS possa ter tratada com sucesso.
       A mídia mundial anuncia que a AIDS é incurável. O portador do vírus da AIDS – SIDA, que acreditar que esta doença tem tratamento e quiser testar, basta experimentar os tratamentos formulados e compilados pelo Professor Moreno, terapeuta homeopata, professor de homeopatia para o público em geral e autor de 25 livros de homeopatia.
Como surgiu a AIDS?
        O nome no nosso idioma é  “síndrome da imuno deficiência adquirida” sigla SIDA (ou AIDS). A população brasileira e mundial precisa ficar sabendo que esta doença foi gerada após o facto histórico da descobera do antibiótico e da generalização de técnicas maciças de medicamentos químicos para tratar, curar e suprimir as doenças como sarna, psoríase, eczemas, gonorréia, sífilis, tuberculose, alergias, etc. Como este processo as pessoas se fragilizaram no seu sistema imunológico e isto facilitou o campo para invasão do vírus da AIDS.
       As terapias naturais propõem o fortalecimento do organismo humano e limpeza interna dos órgãos, ao invés de continuar insistindo em combater os vírus da AIDS e eles se tornando cada vez mais fortes, resistentes, exigindo cada vez mais medicamentos químicos e gerando pessoas mais frágeis no seu sistema imunológico. Nas terapias naturais não se combate o vírus, mas altera-se o campo, eliminando as impurezas internas, não se facilita o desenvolvimento da vida do vírus da AIDS.

        Como que a medicina oficial ajudou a desenvolver esta síndrome?
Muito simples. A fundamentação científica está no livro escrito pelo Doutor Hahnemann, doenças crônicas, publicado em 1800. Neste livro está muito clara a fonte única das doenças. A sarna reprimida evidencia com clareza meridiana, científica, provas de médicos alopatas da época Hahnenanniana e séculos anteriores, que todas as doenças físicas vêm da sarna reprimida. A supressão da sarna causa milhares de novas doenças, que são tidas como independentes pelo método alopático de repressão da sarna, mas vêm da supressão da sarna. A supressão da sarna facilita a entrada da gonorréia e da sífilis. A supressão destas da gonorréia e da sífilis facilita a entrada do câncer, da tuberculose e finalmente da AIDS. (Doenças crônicas, Samuel Hahnemann. Alemanha).

          O que se entende por supressão da sarna? A doença tem duas direções ou está saindo do corpo da pessoa ou está se interiorizando para o corpo do doente. A doença sai do corpo humano pelas fezes, urina, transpiração, catarros, remelhas, cerumes. Quando ela fica trancada e deposita e começa a acumular em diferentes órgãos, sistemas e partes do corpo.
          A medicina alopática faz todos os esforços visando impedir que a doença espontaneamente caminhe do interior ao exterior do corpo dos humanos, dos animais e das plantas. Todos os esforços da medicina alopática são no sentido da doença caminhar do exterior para o interior, impedindo, dificultando, obstaculizando a saída das impurezas do organismo. Isto gera a fragilização do sistema imunológico nos humanos e animais, assim como o sistema de defesa das plantas.
        SIDA (AIDS) surgiu nos humanos e se espalhou por grande parte da humanidade justamente poucas décadas depois da grande descoberta científica dos antibióticos. Estes aos matarem os vírus, os micróbios, os vermes, os fungos, fragilizam o sistema imunológico. Estando fragilizado o sistema imunológico, e havendo um campo infestado de micróbios, fungos, bactérias, vermes, o HIV passa a ter grande facilidade de penetrar, desenvolver e multiplicar no interior dos humanos e animais. Gerada esta fragilidade os organismos ficaram suscetíveis a receber vírus,  que somente conviviam em outras espécies animais. Assim, após a grande descoberta dos antibióticos, os humanos, após receberem grandes cargas destes medicamentos e mais a grande carga de vacinas, ficaram com seus sistemas imunológicos frágeis e isto facilitou, permitiu, preparou o campo, o terreno para o virus HIV penetrar e se desenvolver no corpo dos humanos. A AIDS, na verdade, é a soma e multiplicação da supressão sarna, com mil variantes, da gonorréia com mais mil variantes, da sífilis com mais mil variantes, da tuberculose, do cãncer idem, gerando em cada pessoa sintomas os mais diferentes e complexos possíveis.

        Assim, pode-se compreender porque esta doença tem justamente este nome  “Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida” (SIDA), ela foi adquirida após a fragilização do sistema imunológico e justamente após o surgimento e a disseminação da aplicação maciça dos antibióticos. Para adquirí-la, usando excesso de medicamentos químicos, o seu organismo fragiliza-se, torna-se profundamente adoecido e a pessoa tem o seu campo aberto para receber o virus HIV. O corpo humano fica fragilizado no seu sistema imunológico, porque ele passa a ter sintomas complexos de todas estas doenças.
       
        O modelo médico vigente ao aplicar nos humanos doses maciças de antibióticos para combater a gonorréia, a sífilis, a tuberculose, enfraqueceu-os  e assim o vírus da AIDS que era especifico de determinada espécie de macaco passou a encontrar campo fértil no interior dos humanos.

       Se os humanos por meio de tantos tratamentos alopáticos ficaram fragilizados para receber o HIV e se tornarem aidéticos, existe alguma fórmula de reverter esta situação e  negativar os portadores deste vírus?

        Basta seguir o raciocínio de Hahnemann que o virus HIV passando a conviver em um campo cada vez mais saudável, sintam-se desconfortáveis, porque o seu habitat natural é o da infecção, da sujeira, dos dejetos, e assim vão automaticamente sendo expelidos e eliminados pelo corpo humano.

       Qual é a orientação? Há mais de 10 anos tenho a fórmula de tratamento para a AIDS.  A questão é que a mídia mundial, orientada pelos “doutores tidos como cientistas”, afirmam que pelos métodos alopáticos esta doença é incurável. Pelo método alopático é verdade que a AIDS é incurável. Cada vez os humanos ficarão mais frágeis aos antibióticos e surgirão doenças mais graves do que a SIDA.
   
        Vejam o paradoxo desta doença: um virus HIV tão frágil, que morre em poucos segundos se exposto ao ar livre, mas como tal virus tornar-se um bicho papão da medicina alopática? Como um virus tão fragilil construi nos humanos uma doença tão monstruosa, terrível, temida e geradora de tantos milhões de mortes por ano no nosso planeta?
       
         Seguindo o raciocínio de Hahnemann e dos homeopatas mundiais, e associando o tratamento homeopático, com as plantas medicinais, florais, sal natural, uroterapia, podemos levar o aidético a significativas melhoras, e até mesmo a negativação do HIV.

Como é o tratamento natural da AIDS – SIDA? 
       
        Faltam-me pessoas, organizações que estejam a procura da libertação do paradigma alopático, de que as doenças são incuráveis. Faltam-me aidéticos ou organizações governamentais e não governamentais que acreditem no paradigma das doenças curáveis, em uma nova verdade:  que a AIDS é facilmente curável com a aplicação de um persistente, paciente e continuado tratamento baseado nas plantas medicinais, homeopatia, florais, uroterapia, sal natural e outras terapais.


A) Tratamento homeopático, plantas medicinais e uroterapia para cura da AIDS - SIDA.
Cada tratamento é independente, mas se o aidético fizer com perseverança dois ou os três tratamentos simultaneamente, ou todos, o resultado é mais rápido.

     Observação importantíssima. O aidético que está fazendo o tratamento convencional com o coquetel anti-AIDS, deve continuar usando os medicamentos químicos até que o seu médico requisite novo exame e no novo exame esteja comprovado não estar com o vírus da AIDS. O aidético deve continuar usando os medicamentos químicos recomendados pelo médico.



O tratamento é composto por 7 partes que são: 

1 - Fitoterapia Interna
2 - Homeopatia P1
3 - Urinoterapia
4 - Fitoterapia externa
5 - Homeopatia P2
6 - Oligoterapia
7 - Terapia Floral

Alguns tratamentos são usados concomitantemente dependendo da gravidade do caso, parece caro, tantos tratamentos, mais não é, é em média 80% mais em conta que o tratamento alopático ( mais não o substitui ) e seus resultados são excelentes, além de restabelecer a saúde física do paciente, restabelecer a saúde psicológica também. São poucos os Terapeutas que trabalham com este tratamento, por exigir muita Atenção, empenho, cuidado e tempo do Terapeuta, mais pra mim é gratificante, saber que estou podendo ajudar alguém que tem sua saúde geral abalada por esta doença, por ser complexo o tratamento não será postado aqui, como é feito no caso de alguns outros problemas, este é um tratamento como disse que exige empenho, cuidado, atenção e tempo do Terapeuta assim como perseverança e empenho do paciente, para maiores informações entre em contato comigo clicando aqui, se você é soro-positivo e se interessou pelo tratamento, ou é parente de algum e quer ajudar a ele nessa batalha marque sua consulta presencial no consultório, caso more muito longe, agende uma consulta virtual clicando aqui.

Um abraço, e a disposição para o esclarecimento de dúvidas!

Carta do presidente da ATENEMG ao Anterior Presidente da República

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS TERAPEUTAS
HOLÍSTICOS E ENERGÉTICOS – ATENEMG –
Av. Antônio Abraão Caran, 430 - Sala 701 - São José/Pampulha
Belo Horizonte/MG – CEP 31.275-000 - Fone.: (31) 3491-2240
C.N.P.J.: 00.086.426/0001-00 – Averbado sob nº 23 no Registro 84.446
Cartório de Pessoas Jurídicas do livro A em 30/12/1993 – 8/07/2004 – 31/03/2005
www.homeopatias.com

Exmo. Senhor
MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE.
JOSÉ GOMES TEMPORÃO
BRASÍLIA
Belo Horizonte, 23 de maio de 2007.


Excelentíssimo Senhor Ministro:

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS TERAPEUTAS HOLÍSTICOS E ENERGÉTICOS -  ATENEMG e o CONSELHO NACIONAL DE HOMEOPATIA E FITOTERAPIA – CONAHOM vêem cumprimentar Vossa Excelência pelo esforço que o Governo Brasileiro está fazendo para melhorar a saúde do povo brasileiro, especialmente dos aidéticos. Pedimos vênia para apresentar-vos as seguintes considerações:

O modelo propugnado até agora pelo Ministério da Saúde tem sido o de minorar o sofrimento e a dor dos portadores de AIDS,  apenas prolongando suas vidas, mas mantendo-os aidéticos até a morte.

Agora, num segundo momento, o Ministério da Saúde está gerando insatisfação junto aos grandes laboratórios mundiais fornecedores de medicamentos, ao quebrar a patente de medicamentos produzidos pela MERCK. 

A ATENEMG e o CONAHM apresentam um raciocínio noutra direção: por que o Ministério da Saúde não investe no modelo natural de cura dos seres vivos, tratando os aidéticos com plantas medicinais, fitoterapia, homeopatia, florais, sal natural, autonosódio do sangue e da urina em forma homeopática? A soma desses tratamentos leva a pessoa à cura ou, no mínimo, a uma grande melhora para os que ainda não estão muito debilitados.

A decisão do Governo brasileiro de partir para outro modelo depende unicamente do nosso país, das nossas autoridades em saúde. Na verdade o Brasil quebraria a patente das multinacionais se investisse no modelo das terapias naturais. Comprovando-se a melhora e a cura dos aidéticos com o modelo natural, as patentes dos medicamentos químicos perderiam o seu significado, sem nenhum desgaste para o Pais junto aos poderes econômicos.   

Fala-se muito que as terapias naturais não têm comprovação cientifica. Por outro lado, os próprios cientistas do modelo químico, afirmam e reafirmam que o modelo químico de tratamento das doenças é de que a AIDS é uma doença incurável. Por uma escravidão mental temos de aceitar que as doenças são incuráveis, seguindo o modelo químico. Se este modelo reconhece que esta doença é incurável, por que o Governo brasileiro insiste num método que contraria os poderes dos fabricantes das multinacionais?

No Brasil só se depende das autoridades governamentais do Ministério da Saúde investir pesadamente no Modelo de Cura Natural com plantas medicinais, homeopatia, florais, sal natural e autonosódio do sangue e da urina.

No primeiro governo do Presidente Lula nosso Pais deu uma demonstração histórica de independência, instituindo a Portaria 971, que incentiva o uso das plantas medicinais, fitoterapia e homeopatia.

É chegado o momento, Senhor Ministro, de no Segundo Governo do Presidente Lula, o Brasil mostrar ao mundo que nosso pais é independente e tem a coragem, a liberdade e o poder para incentivar o modelo natural de cura do aidético, ao invés de se fixar no modelo de mantê-los doentes, apenas gerando sobrevida e muitas despesas ao País e ainda contrariando os interesses de Laboratórios multinacionais.. 

Infelizmente, Senhor Ministro, o Ministério da Saúde é resistente ao Modelo de Medicina Natural. Para Vossa Excelência entrar na história da Medicina Mundial chegou o momento de ser incentivado, pelo Ministério da Saúde, a prioridade de valorizar mais o modelo de medicina que gera a “cura rápida, suave e duradoura”.

Gostaríamos que saber se o Ministério da Saúde já fez alguma pesquisa para saber se, no Brasil, quantos aidéticos já tiveram significativas melhoras e até curas com os tratamentos naturais?

Da mesma forma gostaríamos de saber se Ministério da Saúde já fez alguma pesquisa correlacionando o surgimento da AIDS após a descoberta dos antibióticos?

A ATENEMG coloca-se a disposição do Ministério da Saúde para ajudar o brasileiro para construir um novo modelo de saúde.


Atenciosamente
JOSÉ ALBERTO MORENO
PRESIDENTE DA ATENEMG               PRESIDENTE DO CONAHOM.